Spitz Alemão

Indicação: são excelentes cães de companhia, muito dedicados aos seus donos. Alegres e dispostos.

Temperamento: são cães muito alertas e podem avisar seus donos de qualquer alteração latindo aos menores sinais.

Tamanho:

Os Spitz são classificados, segundo a entidade internacional à qual o Brasil é filiado, em 5 tamanhos distintos:

  • Spitz lobo: 50 cm, variação para mais ou para menos de 5 cm (admite-se até 60 cm, mas o aspecto geral não deve ser comprometido).
  • Spitz grande: 46 cm, variação para mais ou para menos de 4 cm.
  • Spitz médio: 34 cm, variação para mais ou para menos de 4 cm.
  • Spitz pequeno: 26 cm, variação para mais ou para menos de 3 cm.
  • Spitz anão: 20 cm, variação para mais ou para menos de 2 cm.

Cores:

As cores permitidas também variam de acordo com o tamanho:

  • Spitz lobo: cinza lobo (nuances de cinza). A máscara não deve ser muito escura. A juba é mais clara. Os membros anteriores e posteriores são cinza-prateado sem marca preta embaixo dos cotovelos e joelhos. A ponta da cauda e culotes são cinza-prata claro.
  • Spitz grande: preto, marrom, branco.
  • Spitz médio: preto marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e outras cores.
  • Spitz pequeno: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e outras cores.
  • Spitz anão: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza).

História:

A origem do Spitz Alemão é bastante longínqua e perde-se nos tempos. A teoria mais aceita é de que descendam dos primeiros cães , por conservarem ainda, grande parte das características herdadas dos lobos, como o focinho pontiagudo, as orelhas eretas e viradas. Por essa condição, são classificados como Cães de Tipo Primitivo. Sua expansão pelo mundo ocidental deve-se principalmente ao fato de terem caído nas graças da realeza britânica. Os primeiros cães da raça chegaram à Inglaterra na bagagem da rainha Charlotte, esposa do rei George III. No entanto foi com a paixão de sua neta, ninguém menos que a Rainha Victoria, que os Pomerâneas ganharam destaque, especialmente a partir de do século 19, quando foram aceitos pelo The Kennel Club.